Print Friendly, PDF & Email

Stress e pele

Os efeitos do stress sobre a pele

stress por si só não é geralmente suficiente para desencadear uma patologia numa pele saudável. É atualmente reconhecido como um fator agravante de diversas perturbações cutâneas: acne, queda de cabelo, eczema ou alergias cutâneas que se podem tornar mais severas em períodos de fragilidade psicológica.

stress é um fenómeno natural de adaptação do corpo face a uma ameaça ou uma situação ligada a uma forte emoção: uma grande quantidade de sangue é dirigida para os órgãos vitais, enquanto as hormonas (cortisol, adrenalina e androgénios) são segregadas para permitir uma resposta mais rápida do que o habitual. O stress é então um mecanismo fisiológico de protecção que pode ser activado com a mesma intensidade frente a um perigo real ou imaginário.

Se o impacto do stress pode ser positivo nalgumas circunstâncias, também pode ter consequências negativas sobre todo o organismo, especialmente na pele. Na verdade, a pele e o sistema nervoso provêm do mesmo tecido embrionário, o ectoderma, ficando assim intimamente ligados ao longo da vida: o que explica que os períodos de stress têm muitas vezes efeitos visíveis na pele.

Os efeitos imediatos do stress

Ansiedade ou emoções fortes reflectem-se muitas vezes sobre a pele, especialmente em pessoas com pele sensível: por exemplo, muitas pessoas coram quando têm de falar em público ou se lhes fazem uma pergunta embaraçosa. Esta vermelhidão transitória ou rubor reflecte a vasodilatação dos vasos sanguíneos que irrigam a pele e, pode vir acompanhada de manchas no pescoço e/ou no decote.

Um grande medo, raiva intensa ou um profundo sentimento de impotência resultam muitas vezes em palidez, sinal de vasoconstrição dos vasos sanguíneos da pele do rosto, o sangue flui de volta para os órgãos vitais, como resultado do stress. Paralelamente é também frequente ocorrer um aumento da transpiração nas mãos e axilas.

Todos estes sinais cutâneos ligados ao stress são pontuais e reversíveis. Contudo, quando os episódios de stress se repetem frequentemente ou se tornam crónicos, o organismo desgasta-se levando a um desequilíbrio que pode ser responsável pelo desenvolvimento de perturbações cutâneas.

Os efeitos a longo termo

A influência do stress no agravamento de algumas patologias cutâneas está hoje cientificamente estabelecida.

• A acne:

duplo efeito do stress na acne: a secreção de adrenalina que acompanha os momentos de stress estimula a produção de sebo e os processos de inflamação. Por outro lado o stress inibe o sistema imunitário levando a que o processo de cicatrização das lesões seja mais lento. É frequente que alguns dias após o stress apareçam novas borbulhas com tendência a desaparecerem mais lentamente.

• Queda de cabelo

stress causado por situações traumáticas (luto, divórcio, acidente, medo intenso etc.) pode estar na origem de quedas de cabelo intensas e difusas (eflúvio telogénio) ou localizadas (peladas).
stress também pode agravar a situação de queda de cabelo nos casos de alopécia androgenética devido as alterações hormonais que perturbam o ciclo de vida dos folículos pilosos levando a aumento da queda.

• Outros distúrbios cutâneos desencadeados pelo stress

A pele de um organismo com stress tem tendência a ser muito mais reativa pois leva a modificações no sistema imunitário. Irritações, prurido, urticária, inflamações e alergias cutâneas podem ser desencadeadas pelo stress. Algumas patologias da pele podem agravar-se devido ao stress: eczema, caspa, dermatite seborreica, psoríases ou zona entre outras.

 

Gerir o stress para uma pele mais sã

Não somos todos iguais no que toca ao stress: algumas pessoas notam muito rapidamente as repercussões do stress no estado da pele, outras nunca chegam a sentir alterações.

Muitas vezes entra-se um ciclo vicioso: o stress origina distúrbios cutâneos e como são de difícil aceitação para a pessoa, eles próprios tornam-se uma fonte de stress que contribui para manter os sintomas. Se a sua pele tem tendência a reagir face ao stress, é indispensável que limite as suas fontes no dia-a-dia ou aprenda a geri-lo.

Ter hábitos de vida saudáveis é também fundamental: número de horas de sono apropriadas, prática regular de exercício físico, não consumir substâncias estimulantes (café, chá etc.), álcool, tabaco etc. Se continuar a sentir que o stress tem um peso muito importante na sua vida, não hesite em falar com o seu médico que poderá ajudar a encontrar as soluções mais apropriadas para diminuir o seu stress.