Print Friendly, PDF & Email

A pele sensível

Portrait of a young woman

Desconfortável e muitas vezes difícil de lidar, a pele sensível reage excessivamente face às agressões mais pequenas: a pele fica vermelha, com sensação de formigueiro, a repuxar… Cada vez mais comum, especialmente entre as mulheres, esta condição cutânea requer uma atenção diária para reduzir os episódios de crise.

 

 

Reconhecer a pele sensível

A pele sensível reage de forma exacerbada face a alguns fatores normalmente bem tolerados: calor, frio, água dura, alimentos picantes, aplicação de cosméticos ou até emoções fortes.

A pele torna-se desconfortável: repuxa, arde ou reage, ficando corada. Podem também surgir sinais visíveis, tais como vermelhidão ou ligeira descamação.

Fora destas crises, a pele parece normal e não apresenta nenhuma característica particular.

Apesar da pele fina e clara ser mais frequentemente afetada, a sensibilidade da pele pode abranger todos os tipos de pele: normal, seca, oleosa ou mista. A sensibilidade cutânea manifesta-se principalmente no rosto e por vezes no pescoço, raramente se espalha para outras partes do corpo.

Alguns tipos de pele são sensíveis por natureza, e manter-se-ão assim toda a vida. No entanto a reatividade tende a diminuir com a idade, nomeadamente após a menopausa. Outros tipos de pele apenas têm períodos de sensibilidade, como por exemplo no inverno: o ar frio e seco dos espaços aquecidos pode desencadear uma reatividade que naturalmente se desvanece ao voltarem os dias mais quentes.

Compreender a pele sensível

A sensibilidade da pele explica-se pela combinação de dois fenómenos:

– Em primeiro lugar, a função barreira da pele é afetada: a epiderme exerce de forma imperfeita a sua função de escudo protetor contra as agressões diárias. Os agentes potencialmente irritantes, podem assim penetrar mais profundamente e desencadear reacções inflamatórias. Paralelamente, a perda de água da epiderme aumenta, e a pele fica mais facilmente desidratada.

– Por outro lado, o limite da tolerância da pele é reduzido. Face a qualquer agressão mesmo pequena, uma quantidade anormalmente elevada de moléculas mensageiras de inflamação (citocinas) é produzida. Esta sensibilidade da pele pode estar relacionada com fatores genéticos, mas também psicológicos: a pele é o espelho das nossas emoções e o desconforto interno pode resultar numa hiperatividade cutânea. A pele também pode tornar-se sensível devido a fatores externos: o uso excessivo de cosméticos agressivos, a exposição pouco moderada ao sol, sessões de peeling ou laser.

Acalmar a pele sensível

Frágil e irritável, a pele sensível requer uma atenção particular no dia-a-dia. Cuidados adaptados, associados a alguns bons hábitos, podem ajudar a reduzir as crises:

– Aprenda a identificar os fatores que desencadeiam as suas reacções cutâneas e evite-os sempre que possível.

Não se lave com sabão e evite esfoliações e peelings, demasiado agressivos para a sua pele delicada.

– Use apenas cuidados dermocosméticos e produtos de maquilhagem especificamente concebidos para a pele sensível, sem perfume, sem conservantes e hipoalergénicos.

– De manhã, hidrate a sua pele com um creme para a pele sensível. À noite, é importante nutri-la com uma fórmula mais rica.

– Antes de optar por um novo produto cosmético, teste-o numa zona pouco visível: atrás da orelha ou pescoço, por exemplo.

– Utilize o menor número possível de cosméticos. Quando encontrar um produto bem tolerado pela sua pele, seja-lhe fiel.

– Sempre que possível, evite lavar o rosto com água da torneira, que pode conter uma quantidade elevada de calcário. Em alternativa, use um spray de água termal, secando cuidadosamente a sua pele de seguida com um lenço sem esfregar.*

Se a sua pele continuar reativa apesar destas precauções, não hesite em consultar um dermatologista.

 

*Sugestion: Em alternativa, use produtos adaptados para pele sensível que não necessitem de enxaguamento tais como leites de limpeza ou águas micelares.